(31) 2531-3161
WhatsApp
Início » Blog » Quais são as causas da evasão no ensino superior

Quais são as causas da evasão no ensino superior

Publicado em 30 junho 2020 e escrito por

O principal propósito de uma instituição de ensino superior é fazer com que os alunos tenham a melhor formação possível, para prepará-los para o mercado de trabalho e, consequentemente, melhorar a credibilidade da organização perante a sociedade. 

Com isso, a permanência de alunos é uma meta constante de quase toda instituição de ensino superior, e um ponto que, comumente, pode impedi-la de conquistá-lo são os altos índices de evasão. A desistência de um aluno em estudar na sua instituição pode ocorrer por diversos motivos diferentes, exigindo uma estratégia da sua parte para que possa ser contida a níveis satisfatórios. 

Para ajudar nisso, trazemos, neste artigo, as principais informações que você precisa, sobre evasão no ensino superior. Você entenderá melhor o que é esse problema, as suas principais causas e como evitar que isso aconteça. Vamos lá? 

No que consiste a evasão no ensino superior? 

O termo evasão costuma estar sempre em discussão nos círculos de educação, por ser uma preocupação frequente da sociedade, em busca de garantir que os jovens não deixem a graduação antes de finalizar o curso. As próprias instituições também podem e devem adotar ações focadas nesse cenário. 

No entanto, quando falamos de ensino superior, além de analisar a evasão, é importante analisar as possíveis estratégias que as instituições de ensino podem adotar para se manterem atrativas para seus alunos, levando-os a finalizarem o curso. 

Perder alunos é algo negativo, mas pior ainda é quando isso acontece de formas totalmente preveníveis. Ao manter o indicador de evasão no radar da sua IES, você poderá perceber quando o problema se agrava e quando se atenua, sendo possível adotar as estratégias mais adequadas para cada contexto. 

Por quais motivos a evasão costuma ocorrer? 

Um índice alto de evasão deve ligar um alerta para uma instituição de ensino. Perder alunos nunca é agradável, especialmente porque existem inúmeras estratégias que podem ser adotadas para evitar que isso aconteça. 

Veja, a seguir, as razões mais comuns que costumam gerar um quadro de evasão escolar no ensino superior. 

Perda do interesse pelo curso escolhido 

Esse é um dos principais motivos que fazem alunos abandonarem o ensino superior. Isso ocorre, justamente, quando eles não compreendem mais a razão de estar ali fazendo aquele curso. Afinal, escolher uma profissão é um processo difícil para muitos jovens, que, ao longo do curso, chegam a se perguntar se realmente fizeram a escolha certa. 

Segundo uma pesquisa realizada pelo Portal Educacional, metade dos estudantes de terceiro ano do ensino médio não sabe qual carreira seguir. Por essa razão, muitos acabam optando por cursos que agradam aos pais ou que tenham acesso mais fácil na hora de prestar o vestibular. 

Uma vez no ensino superior, quando o aluno não encontra mais sentido em continuar no curso escolhido, ele perde a motivação de estudar. E a consequência disso não é outra, senão a evasão. 

Falta de tecnologia na sala de aula 

De acordo com uma pesquisa da Quizlet, cada vez mais alunos demandam tecnologia nas salas de aula. 

Afinal, hoje em dia, os jovens estão conectados em seus celulares e tablets. Logo, é interessante que o modelo de ensino se adapte à realidade do aluno, e tais ferramentas passem a fazer parte do aprendizado, de modo que os estudantes tenham maior interesse e mantenham o foco no conteúdo passado em sala de aula. 

Sob a confirmação do maior uso da tecnologia nesse cenário de aulas a distância, acredito que veremos, no mundo pós Covid-19, um maior número de escolas adotando do Ensino Híbrido. Para definir melhor, essa modalidade integra as melhores práticas educacionais off-line e online. Nessa metodologia, alguns momentos o aluno estuda sozinho, aproveitando ferramentas online; em outros, a aprendizagem acontece de forma presencial, valorizando a interação entre os alunos e com o professor ou professora. 

Nesse momento que vivemos – no qual o presencial foi substituído pelo virtual –, ferramentas online como Hangouts Meet, Teams e Zoom têm propiciado a facilidade na integração e troca maior entre discentes e docentes, uma forma de vencer as limitações impostas pelo contexto. Vimos escolas se adaptando às novas realidades, para reduzir o impacto do distanciamento social no processo da aprendizagem e no ano letivo dos(as) estudantes. 

Esse fato deixou ainda mais claro que as instituições de ensino conectadas com soluções tecnológicas – com propósito pedagógico – têm mais capacidade de adaptação e também de adotar a mesma linguagem dos(as) estudantes. A tecnologia, que assumiu esse papel significativo até em escolas mais tradicionais, que poderão (e provavelmente irão) manter essa relevância na educação dentro das salas de aulas. 

O aprendizado proporcionado pelo Ensino Híbrido é mais personalizado e mais dinâmico. E, o mais interessante, confere a famílias e professores(as) a possibilidade de acompanhar o processo de aprendizado e engajamento do aluno. A partir dos resultados, os educadores conseguem fazer as interferências necessárias com mais agilidade.  

Altos índices de reprovações 

Alguns cursos possuem alto índice de reprovação, geralmente, associado à dificuldade do aluno em acompanhar o ritmo das aulas, por conta da deficiência de sua formação ou mesmo pela falta de interesse, conforme citamos anteriormente. 

A faculdade de ciências exatas costuma ter índices de reprovação maiores, sobretudo em cursos como Engenharia e disciplinas como Cálculo, em que, numa turma de 60 alunos, apenas 5 conseguem ser aprovados. 

Quando as reprovações são frequentes, o mais comum é que o aluno se sinta desestimulado a continuar estudando. Alguns procuram evitar a disciplina líder em reprovações quando chega a hora de montar a grade do semestre. Porém, em algum momento, ele terá de cursá-la, e, se o receio da reprovação for maior, pode ocorrer uma consequência mais grave, como a evasão. 

Conciliação de trabalho e estudos 

O cenário ideal na vida de um estudante universitário é preocupar-se somente com os estudos, a fim de ter o melhor aproveitamento do curso e, após a formação, entrar mais preparado no mercado de trabalho, certo? Porém, a realidade não é tão bela assim. 

É muito comum encontrar alunos que, além de estudar, também precisam trabalhar em empregos full time de 8 horas por dia, alguns em escalas de 6 dias por semana. São diversas as situações que fazem com que o estudante universitário precise trabalhar. As principais são: 

  • a família tem baixa renda, o que faz com que todos os membros tenham de trabalhar; 
  • o aluno precisa do trabalho para pagar os custos da faculdade, tais como mensalidade, livros, xerox etc. 

Essa rotina, por vezes, pode ser muito cansativa, fazendo com que o aluno precise escolher entre estudar ou trabalhar. E como as contas não podem esperar, o trabalho acaba sendo o escolhido. Essa é uma realidade que atinge cerca de 60% dos estudantes brasileiros

Dificuldades financeiras 

A dificuldade financeira é outro fator que faz com que as pessoas acabem deixando a universidade. Prova disso é que muitas instituições de ensino superior estão perdendo alunos por conta da crise no país. 

Isso atinge tanto os alunos de instituições privadas que não conseguem mais pagar as mensalidades, quanto os de universidades públicas que também arcam com custos, como transporte, alimentação e compra de materiais. Tudo isso pode pesar na balança no final do mês, forçando-os a deixar os estudos de lado. 

E quanto à evasão no ensino a distância? 

As instituições que trabalham com ensino a distância também precisam ficar atentas à ocorrência desse problema. Manter os alunos engajados com o conteúdo das aulas e satisfeitos com a IES é um dos seus principais desafios a serem vencidos, e isso tem um impacto direto na prevenção contra a evasão escolar. 

O primeiro passo que você deve seguir é avaliar os seus próprios números. Considere os seus indicadores de matrículas e observe o percentual de alunos que chegam a completar um curso a distância em sua IES. Entre os motivos mais comuns para isso, estão: 

  • falta de apoio da instituição, já que a maioria das pessoas ainda está acostumada a contar com intermediadores mais presentes, como no ensino presencial; 
  • dificuldade no uso de plataformas de ensino a distância, um desafio particularmente presente entre os alunos mais velhos com pouca experiência com tecnologias; 
  • pouca ou nenhuma identificação com o curso escolhido, algo que também pode ocorrer com o ensino presencial, mas se agrava quando falamos de ensino a distância por conta da maior oferta disponível. 

Como evitar a evasão? 

Agora que já sabemos as principais causas da evasão escolar, é preciso conhecer os caminhos que podem evitá-la. Listamos aqui os três principais: 

Melhor atendimento ao aluno 

Para impedir que um aluno vá embora da instituição, é preciso entendê-lo e saber o que está acontecendo dentro do seu universo acadêmico. Para isso, um bom atendimento ao aluno é fundamental. 

Seja qual for o motivo pelo qual o aluno esteja considerando parar de estudar — 

falta de interesse, estrutura do campo, problemas financeiros —, é de suma importância que o atendimento identifique o problema e proponha soluções, para que as chances de o estudante permanecer no curso aumentem. 

Tecnologia em sala de aula 

Em uma época em que todos estamos conectados o tempo inteiro em nossos dispositivos móveis, não convém ensinar usando somente quadro negro e giz, não é mesmo? 

Por isso, o investimento em tecnologia nas salas de aula é tão necessário. E não apenas para as disciplinas que requerem computadores conectados à internet, mas também tantas outras, cujos conteúdos serão mais bem transmitidos ao contar com esse suporte tecnológico. 

Formas de negociação de pagamentos 

Esse é outro ponto que as instituições de ensino precisam levar em conta para reter seus alunos. Como dito anteriormente, a dificuldade financeira é um impeditivo comum na vida do universitário que tranca ou mesmo abandona o curso. 

Logo, é fundamental que ele tenha a seu dispor formas de negociar esses pagamentos, principalmente se esse for o único empecilho para ele continuar estudando. Parcelamento das mensalidades atrasadas ou desconto na quitação total costumam ser as ofertas mais atrativas de negociação. 

Aulas mais interativas 

Um dos motivos que fazem com que a evasão escolar seja alta é a falta de engajamento dos alunos com o conteúdo das aulas. Portanto, é preciso pensar em soluções para deixá-las mais interessantes e mais dignas da atenção deles. 

A interatividade é uma ótima saída para isso. Busque formas de tornar o momento da aula uma troca mais recíproca entre alunos e professores, em vez de apenas um desses lados entregar conteúdo ao outro. 

Acompanhamento de desempenho 

A sua IES pode posicionar-se como uma verdadeira parceira de seus alunos ao contar com uma estratégia voltada ao acompanhamento do desempenho deles. Isso significa monitorar o rendimento deles ao longo das aulas e oferecer apoio conforme necessário. 

Isso significa personalizar ao máximo a sua abordagem. Afinal, cada aluno é diferente e conta com necessidades específicas. Uma forma de fazer isso é contar com um sistema de gestão escolar que possibilite registrar essas informações dos alunos para poder realizar a abordagem correta com eles. 

E a melhor forma de se relacionar, é por meio de um CRM. Ferramenta que te permite agilizar e melhorar o atendimento aos alunos de acordo com seu perfil e suas necessidades, através da automação da régua de relacionamento e do gerenciamento das diversas personas existentes. 

Com o CRM Educacional, sua instituição de ensino terá mais controle e centralização das informações, de forma que não será mais necessário consultar ou armazenar informações em vários sistemas diferentes. Além disso, o CRM oferece toda a automatização da régua de relacionamento que a sua instituição necessita para captar e reter alunos. 

Em um mundo cada vez mais definido pela informação que se tem em mãos e o conhecimento produzido com a mesma, tecnologias de predição de dados estão se transformando em tesouros para o mercado educacional, tomando cada vez mais forma em processos de gestão, captação e permanência de alunos. 

Saber trabalhar com dados de forma inteligente, prevendo comportamentos e registrando informações que importam para o seu fluxo de gestão é um passo importante para a inserção da sua IES neste novo contexto. 

Como instituição de ensino, é natural que você já conheça e realize processos que envolvam dados de alunos e o trabalho com relacionamento e comunicação – mas talvez você ainda não saiba como o CRM Educacional é capaz de auxiliar, e potencializar sua gestão para aumentar o ganho de autonomia e eficiência, e que o uso de modelos preditivos de inscrição já é uma realidade que você pode oferecer para a gestão da sua IES. 
 

A evasão de alunos é um problema que pode prejudicar a instituição em vários sentidos. Além de sofrer danos na parte financeira, a credibilidade da organização também pode ser colocada em dúvida. Portanto, reunir os responsáveis pela organização de ensino e apresentar as soluções para melhorar, ao máximo, a permanência de alunos é o melhor caminho a seguir. 

Agora que você já sabe as razões e como evitar a evasão no ensino superior, que tal acessar muitas outras dicas nossas? Navegue pelo nosso blog e encontre conteúdos e dicas para a sua instituição de ensino.  

Sobre o autor:

Jade Nascimento Analista de Marketing Digital na CRM Educacional.

COMPARTILHE:

Outras notícias Mais relevantes Últimos dias