(31) 2531-3161
WhatsApp

Chat CRM Educacional

Como preparar sua IES para as Novas Regras do FIES

Como preparar sua IES para as Novas Regras do FIES

Publicado em 10 julho 2017 e escrito por

Posso afirmar, com quase 99% de certeza, que você tem acompanhado as mudanças no FIES, estou certo? Afinal, um dos principais motivos que impossibilitam um aluno de ingressar no Ensino Superior é justamente a questão financeira. O FIES, com estas novas regras, pode voltar a fazer parte da sua estratégia de captação de alunos. Além disso, o FIES impacta diretamente na retenção destes alunos. Você sabia que nos cursos presenciais de graduação, por exemplo, a taxa de evasão de alunos com FIES no primeiro ano de curso é de 7,5%? Em comparação aos alunos sem o financiamento, essa taxa sobe para cerca de 25%, segundo dados da Sindata/Semesp (2015).

Mesmo assim eu gostaria de te mostrar alguns dados das mudanças do FIES e como elas podem ajudar a atrair mais alunos para a sua instituição.

Foram criadas três modalidades de financiamento que ofertarão 225 mil vagas ainda este ano (veja o cronograma) e 300 mil novos contratos por ano a partir de 2018.

Segundo declaração do ministro da educação, Mendonça Filho, serão criadas 100 mil vagas para o próximo ano com juros a 0% na modalidade FIES 1 e o estudante pagará uma parcela de no máximo 10% da sua renda mensal.

Isso mesmo?! Imagine o quanto isso pode favorecer novos candidatos que ainda não ingressaram?

CURSOS PRIORITÁRIOS DO FIES

O MEC ainda não definiu quais os cursos serão priorizados nas ofertas de vagas do FIES, mas o governo deve enfatizar as áreas que possam gerar melhor renda e tenham maior demanda do mercado de trabalho.

Essa decisão irá ajudar os estudantes de baixa renda a financiar mais facilmente cursos nas áreas tecnologia e gestão por exemplo.

CANDIDATOS

Estarão habilitados a se candidatar às novas vagas os estudantes que possuam renda familiar de até três salários mínimos por pessoa e que tenham obtido ao menos 450 pontos na última edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), além de não ter zerado na prova de redação.

Se a sua instituição não utiliza o ENEM como forma de ingresso, aconselho a pesquisar um pouco mais sobre o assunto nesse post anterior. Ainda mais sabendo que 63% dos participantes do ENEM utilizam a prova para “participar do FIES”, segundo dados coletados no ENEM 2015.

PERFIL

O novo Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), será dividido em três modalidades e entre eles estão os recursos exclusivos dos fundos constitucionais regionais, que vai oferecer contratos diferenciados para estudantes das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Se sua instituição de ensino tem sede nessas regiões, essa é uma informação preciosíssima e poderá ser um bom atrativo na próxima campanha.

LIMITE DE MENSALIDADE

Segundo a nova regra não está previsto um valor máximo de mensalidade, ao contrário do que acontecia anteriormente, que tinha um teto limite de R$ 5 mil mensal para o valor do curso.

A medida traz mais liberdade a instituição para trabalhar a captação e financiamento das parcelas.

PAGAMENTO

O empréstimo agora será pago assim que o estudante deixar a faculdade e tiver uma renda formal. O dinheiro será descontado diretamente do salário do ex-aluno, com no máximo 3% ao ano por meio do eSocial, sistema já utilizado atualmente pelas empresas para pagar contribuições e prestar informações ao governo.

E os custos com o fundo garantidor irão aumentar para a auxiliar no combate a inadimplência, ATENÇÃO a isso!

COMO ASSIM?

Agora as universidades serão mais responsáveis por cuidar do não cumprimento do pagamento e ajudar a evitar a inadimplência com um valor variável para o fundo garantidor. Hoje é destinado 6,5% das mensalidades e com a nova regra passará a ser entre 13% a 20%.

Um dado importante, que o diretor executivo do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp), Rodrigo Capelato, comentou o porquê do aumento das taxas para o alargamento do financiamento para estudantes do ensino superior: “Na crise econômica, a capacidade do governo de aumentar as vagas é baixa, pois não há dinheiro. A mudança é uma forma criativa de aumentar o número de vagas”, disse.

A medida, mesmo acrescentando um custo adicional a instituição, ajudará a expandir o número de vagas para estudantes do ensino superior sem comprometer a viabilidade financeira do programa que estava fragilizada desde as últimas mudanças em 2015, que representou uma queda de 35% novos contratos em 2014 para 13% em 2016, como constatou a pesquisa anual da Semesp.

E você, já está preparado para as novas regras do FIES?

Banners Enciclopedia captação

Sobre o autor:

Daniel Antonucci CEO e Co-Founder na CRM Educacional, empresa especializada em Captação, Permanência e Fidelização de Alunos, também atua como docente em cursos de MBA de Marketing e de Tecnologia da Informação e realiza palestras em diversas Faculdades e Universidades pelo Brasil. Possui formação em Inovação e Empreendedorismo em Stanford, MBA em Marketing pela ESPM e Mestrado em Gestão pelo Centro Paula Souza, onde desenvolveu pesquisa sobre Modelos de Maturidade de Gestão Acadêmica em Instituições de Ensino Superior, além de especialização em ferramentas de CRM como o Dynamics CRM da Microsoft. Atua também no Conselho de Administração de empresas de marketing e tecnologia.

COMPARTILHE: